top of page
Buscar

Você sabia que os médicos podem realizar Anúncios Pagos?

Atualizado: 25 de fev. de 2022



Sabemos que o CFM restringe qualquer ato publicitário comercial para atração de novos clientes de maneira direta. São totalmente proibidas as expressões que hiperbolize um profissional ou uma clínica médica.




‘O melhor da cidade, o mais capacitado, garantimos o sucesso do procedimento, essas e outras expressões são proibidas por vários fatores éticos da medicina.’’

Utilizar de descontos, vales, entre outros meios publicitários que utiliza a precificação para atração de novos potenciais clientes, também é proibido.


E agora Rafael, o que eu faço?

Muita calma nessa hora Dr.s, existem sim várias possibilidades de divulgação para você e sua clínica.

A CFM não proibiu anúncios publicitários informativos.


Mas o que isso muda Rafael?

A liberação de anúncios informativos abre várias possibilidades de interação com o seu potencial novo paciente, através de artigos, dicas, especificações de especialidades e para que funciona a especialidade descrita pelo médico.


Ainda assim ficou um pouco desentendido?

Vamos para um exemplo, na prática!

Agora veja um anúncio regular e irregular no Google Ads;

O desenvolvimento das novas tecnologias da informação e a sua utilização massiva pela população impulsionaram a presença dos profissionais de diferentes áreas do conhecimento no contexto digital.


Os consumidores estão progressivamente mais exigentes e o mercado está cada dia mais competitivo, o que gera a necessidade de que os profissionais utilizem estratégias de publicidade e marketing para divulgação de seu trabalho visando a atração de clientes.


Com a medicina não foi diferente. O ambiente digital, em especial as redes sociais, são janelas de oportunidade para o médico que objetiva divulgar o seu trabalho, suas habilidades, interesses e, principalmente, o seu conhecimento.


Como é a publicidade na Medicina?

Na Medicina a publicidade tem como principal objetivo a orientação educativa e informacional, se distanciando daquela publicidade que tem como finalidade a venda de um produto ou ações publicitárias com práticas meramente comerciais.


Toda comunicação ao público feita por qualquer meio de divulgação, que envolva a atividade profissional do médico é considerada publicidade na Medicina.


O Órgão responsável por regulamentar e fiscalizar o exercício desta publicidade é o Conselho Federal de Medicina – CFM, que elaborou as Resoluções n.º 1.974/2011, 2.126/2015 e 2.133/2015 sobre o tema.


Quando falamos do médico pessoa física, as redes sociais são vantajosas porque permitem o contato direto com o público e a divulgação de informações interessantes que podem auxiliar pacientes e as pessoas em geral.





Por que há limitação da publicidade na medicina?


Na medicina existem algumas limitações e proibições nas práticas de marketing e publicidade porque o consumidor final é o paciente e o objeto é a sua saúde, sua qualidade de vida e bem estar, de modo que toda ação publicitária na medicina precisa ter responsabilidade social com a saúde da população.


O objetivo das regulamentações do CFM é delinear a publicidade médica para que seja feita com caráter informativo e educativo. O principal foco deve ser o esclarecimento sobre doenças e outras questões de saúde, com base em conteúdo cientificamente comprovado.


Citamos alguns tópicos com indicações do que pode e do que não pode ser feito na publicidade médica.


Você poderá:

Divulgar o número de registro do CRM e especialidade (se registrada)


Divulgar o número de seu registro do CRM/UF não só pode como deve ser feito. O Conselho traz essa obrigação como forma de fiscalizar o exercício regular da profissão pelos médicos nos meios de comunicação.

A área de especialização também pode ser anunciada, desde que seja uma especialidade reconhecida e registrada pelo Conselho Federal de Medicina. Do contrário, é vedada a divulgação.


Divulgar participação em eventos acadêmicos e científicos da área


A divulgação da participação em eventos acadêmicos e científicos da área é uma forma de demonstrar conhecimento, atualidade e relevância na sua área de atuação.

O único cuidado necessário é para que essa divulgação não seja feita de forma muito incisiva e reiterada, a fim de evitar uma eventual interpretação de autopromoção exacerbada.


Divulgar novos tratamentos disponíveis no mercado


A divulgação e informação sobre novos aparelhos, tratamentos ou procedimentos disponíveis no mercado é permitida pelo Conselho Federal de Medicina.

A orientação que nos cabe fazer é que a divulgação seja feita sempre com cuidado, sem a utilização de mecanismos que possam gerar no público o entendimento de exclusividade em determinado tratamento ou pioneirismo na utilização de algum procedimento, pois o Conselho Regional de Medicina entende esta prática como autopromoção.


Publicar fotos com sua equipe de trabalho


A publicação de fotos com sua equipe de trabalho é uma maneira interessante de expor ao seu público sua rotina no exercício da medicina e gerar conexão com as pessoas.

Não há nenhuma vedação a este tipo de publicação, mas é importante ressaltar que em hipótese alguma pode haver paciente identificado nesta imagem ou mesmo algum elemento que possa levar a identificação de algum paciente, como eventual documento médico exposto em mesa de trabalho, por exemplo.


Publicar fotos com seus professores/preceptores


Assim como no item acima, esta divulgação deve ser feita sempre com o cuidado necessário para evitar qualquer identificação de pacientes nas fotos.


Divulgar conteúdos que objetivam a promoção da saúde e a prevenção de doenças


O foco da publicidade médica deve ser o caráter educativo do conteúdo. Portanto, não só é autorizado como é valorosa a divulgação de conteúdo com natureza de promoção da saúde e prevenção de doenças.


Fazer esclarecimentos gerais sobre doenças e outras questões de saúde, com base em conteúdo cientificamente comprovado


Sendo a essência da publicidade médica a divulgação de conteúdo com caráter educativo e informativo, os esclarecimentos gerais sobre doenças e outras questões relacionadas à saúde é permitido.

É importante cautela nos esclarecimentos sobre doenças, para que seja feito sempre com base na literatura científica atualizada e para que não haja nenhum tipo de diagnóstico ou identificação de caso concreto quando dos esclarecimentos.

Portanto, caso o esclarecimento seja feito individualmente, sobre uma dúvida concreta de um seguidor, sempre faça recomendação para que seja procurada ajuda médica especializada e individualizada.


Incentivar bons hábitos de vida e rotina cotidiana


Por fim, incentivar bons hábitos de vida e de rotina ao seu público e seguidores é oportuno e consciencioso, o que vai ao encontro de uma publicidade ética e responsável.


Atenção com as proibições citadas abaixo:

Imagens de antes e depois de pacientes Uma pergunta frequente dos nossos clientes é se eles podem utilizar fotos de antes e depois de seus pacientes. Até então essa prática era proibida ao médico. Porém, recentemente foi aprovada, pelo presidente Jair Bolsonaro, a lei 13.874 que é também é chamada de lei da liberdade econômica. Essa lei estabelece, entre outras coisas, o veto à seguinte prática, conforme o artigo 4:

VIII – restringir o uso e o exercício da publicidade e propaganda sobre um setor econômico, ressalvadas as hipóteses expressamente vedadas em lei federal. Esse artigo afirma que é vedado ao CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA estabelecer regras que causem restrição à publicidade, salvo em casos expressos em lei. No momento não há nenhuma lei federal que proíbe o uso de fotos de antes e depois, comprovando resultados de pacientes!

Por isso, por enquanto está assegurado teoricamente o uso de imagens de antes e depois dos pacientes. É absolutamente proibida na publicidade médica a divulgação de fotos com comparação de resultados de procedimentos médicos, ainda que com o consentimento do paciente. A razão desta proibição é que este tipo de material pode gerar uma expectativa irreal no paciente e aludir a um resultado específico, o que é inviável na medicina. A medicina é profissão de meio e não de fim, portanto, não pode haver promessa de resultado.


Fotos em salas cirúrgicas


A divulgação de imagem em sala de cirurgia pode facilitar a identificação de pacientes. Um dos grandes fundamentos da relação médico-paciente é o sigilo profissional. Ainda que na imagem em específico não exista paciente identificado, o CFM entende que pode haver quebra da confiança e da confidencialidade desta relação.


Fotos com pacientes


É proibida pelo Conselho Regional de Medicina a publicação de fotos com pacientes em razão da relação de confiança e sigilo entre médico e paciente. Caso o paciente seja um amigo, a foto deve ter o caráter de amizade, jamais fazer qualquer alusão a relação profissional existente.


Selfies em local de trabalho


O CFM entende que selfie em local de trabalho ou em atendimento médico também é proibida em razão da privacidade inerente ao exercício da medicina e a proteção da intimidade das pessoas.

Com cautela e de forma comedida, o médico pode publicar em suas redes fotos com equipe de trabalho ou em seu escritório/espaço de atendimento, desde que não exponha pacientes ou qualquer outro elemento que possa identificar algum paciente e desde que não caracterize sensacionalismo ou autopromoção.


Consultas em massa por chat (em mídias sociais) ou comentário em massa


É bastante comum em perfis de médicos nas redes sociais os seguidores questionarem sobre condutas ou tratamentos médicos.

O médico pode fazer comentários gerais sobre doenças, mas não pode “consultar, diagnosticar ou prescrever por meio de comunicação de massa ou a distância”. Neste caso, o profissional deve incentivar que os seguidores/público procurem sempre atendimento especializado.


Promoção dos equipamentos


O CFM não proíbe a divulgação de equipamentos. No entanto, utilizar os aparelhos ou a tecnologia como forma de demonstrar maior capacidade técnica, de se autopromover, de indicar um tratamento exclusivo ou garantir o sucesso do tratamento é proibido.


Divulgação de preço ou desconto


É expressamente proibida a divulgação de preço ou desconto porque mercantiliza a medicina e gera concorrência desleal.

Portanto, é vedado ao médico divulgar preços de procedimentos, modalidades de pagamentos, ofertar serviços por meio de consórcios ou, ainda, ofertar cupons de desconto.


Elogios e agradecimentos reiterados de terceiros


O médico pode compartilhar elogios e agradecimentos em suas redes sociais e meios de comunicação.


O que o Conselho busca limitar, neste caso, é que o médico compartilhe, reiteradamente, conteúdos com elogios seus como “o melhor da área”, “o único que faz o procedimento x”, ou mesmo que induza o seu público a acreditar no resultado de determinado procedimento médico através do comentário de terceiro.


Consequências pelo descumprimento das regras de publicidade

O descumprimento às regras de publicidade médica pode levar o profissional a responder um Processo Ético Profissional por falta disciplinar e, inclusive, resultar na condenação do médico por violação ao Código de Ética Médica.


Em caso de condenação, as penas variam de advertência confidencial, censura confidencial, censura pública, suspensão e, por fim, cassação.


Portanto, a maneira mais eficaz de elaborar as práticas publicitárias médicas de forma ética é com cuidado e responsabilidade, será analisando sempre se o material serve ao objetivo de educar e informar a população, afastando o caráter puramente mercadológico ou de autopromoção do seu conteúdo.




64 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Não encontrou o que precisa em nossa loja? Faça um pedido totalmente personalizado!
bottom of page